Cruzeiro do Sul Virtual 124582
03/05/2021 às 10:19
Visualizações: 11484

Mulher é condenada por ameaçar ex-marido de morte, acertar pedrada no sogro e injuriar enteados

Estado
Por: Thainara Almeida
Anuncie No Ronda 104198

Uma mulher foi condenada por cometer três crimes: lesão corporal contra pessoa idosa, injúria racial e ameaça. O juízo de 1º grau a condenou á dois anos, oito meses e 20 dias de reclusão, além de cinco meses e seis dias de detenção, em regime aberto. Os crimes foram praticados em uma cidade do Vale do Itajaí em 2017. Segundo informações do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), a mulher foi até a casa do ex-namorado e passou a atirar pedras, uma delas acertou a cabeça do ex-sogro, já idoso, provocando-lhe lesões corporais. A mulher também injuriou os dois filhos do ex ao chamá-los de “macacos”. Não satisfeita, nos dias seguintes encaminhou diversas mensagens pelo WhatsApp, com palavras ofensivas contra o ex e a promessa de causar-lhe mal injusto e grave, inclusive ameaças de morte. De acordo com o TJSC, a mulher voltou a atacar os filhos dele e, novamente, proferiu palavras de baixo calão contra eles. Ao ser condenada em 1º grau, a mulher recorreu ao TJ e, entre outros argumentos, sustentou que a sentença foi toda baseada na palavra da vítima, que ela nunca ofendeu diretamente as crianças, e defendeu a aplicação do princípio in dubio pro reo. No entanto, de acordo com o desembargador Luiz Neri Oliveira de Souza, relator da apelação, ficou cabalmente comprovado nos autos que a apelante, ao revés do sustentado, praticou os delitos pelos quais foi condenada, sem que se possa falar em absolvição. Segundo o relator, a ré teve “nítida intenção de ofender a honra subjetiva mediante emprego de expressões pejorativas” relacionadas à cor da pele. O desembargador explicou que é irrelevante se o crime foi ou não cometido diretamente contra a vítima, pois basta que as ofensas cheguem ao seu conhecimento. Da mesma forma, segundo Luiz Neri, há nos autos provas substanciais dos crimes de lesão corporal e ameaça. Com isso, o relator votou pela manutenção da sentença e seu entendimento foi seguido pelos demais integrantes da 5ª Câmara Criminal do TJSC.

Receba as informações do Ronda Policial em seu Whatsapp… Fique sabendo de tudo primeiro clicando aqui!! 

 

Anuncie No Ronda 104198

Últimas notícias

Portal Ronda Policial

CNPJ: 26.383.651/0001-00
Rua Victor Konder, 1005
Centro Comercial Chaplin - Xanxere/SC
CEP: 89820-000

Dados de contato

(49) 9 8852-5789 - Direção
(49) 9 9154-7405 - Xanxerê
(49) 9 9934-5537 - Bom Jesus
rondapolicial@rondapolicial.net.br